O estoque de materiais é um setor primordial em qualquer empresa. Disponibilizar diversos materiais de primeira necessidade no intuito de facilitar a manutenção é uma das ações que combate a demora no conserto das máquinas e consequente retomada na produção.

É certo que, até ser utilizado, determinado material fica estocado de forma improdutiva por um determinado intervalo de tempo. Este acúmulo de materiais diversos nos estoques aplicados à manutenção corretiva acontece de forma itinerante, uma vez que os problemas no equipamento devem ser resolvidos da forma mais rápida possível para minimizar o prejuízo na produção.

Por essa razão, ter peças a disposição no estoque é fundamental para suprir as necessidades de diversos setores dentro de uma empresa. Trata-se de um tipo de consumo não previsível, já que não é possível saber ao certo quando determinada máquina vai quebrar. Práticas como análises de desempenho podem acusar irregularidades e atuar de forma preventiva para evitar maiores problemas.

Mas, de fato, é complicado saber quando um item do estoque será consumido e qual o prazo de reposição para tal item. O capital de giro para investimento em estoque, desta forma, acaba sendo alto na medida que a manutenção corretiva dos maquinários se torna mais recorrente.

Entendendo o papel do estoque na Manutenção Corretiva

Para melhor regular o fluxo de itens e a organização do estoque de uma empresa, é preciso entender e analisar quais as demandas mais recorrentes e sua frequência. Controlar o histórico de consumo das peças é fundamental na tentativa de investigar as motivações de conserto do equipamento – se tem a ver com uma peça defeituosa ou o mau uso do mesmo.

Para atender às necessidades de manutenção corretiva das máquinas, é preciso montar um estoque de acordo com as especificações de cada equipamento.

A busca pela autenticidade dos itens é fundamental na tentativa de consertar o produto sem danificar o seu funcionamento. É aconselhável que a montagem do estoque seja feita mediante análise rigorosa do orçamento para evitar prejuízos ao balanço financeiro da empresa.

Fazer uma boa gestão do estoque, em termos organizacionais, é também uma forma de garantir fornecimento para tudo o que foi demandado e sempre atentar para a rápida reposição dos itens. Assim, com um controle rigoroso da entrada e saída de todos os itens, as chances de deixar o estoque desfalcado são mínimas.

Como otimizar a manutenção corretiva?

A tarefa de restaurar um aparelho ou equipamento de volta as suas condições ideais pode acontecer em dois cenários distintos: em caráter de urgência ou prevenção.

As manutenções que acontecem em caráter de urgência, e podem demandar itens de estoque de forma inesperada, podem acontecer por algum problema pontual. No entanto, a manutenção corretiva com caráter de prevenção aposta em um bom planejamento para, justamente, evitar as ocorrências de urgência.

Planejar a manutenção corretiva é a melhor forma de detectar problemas de forma antecipada e adquirir os itens necessários para o reparo mais adequado. Assim, não há prejuízo com relação ao cronograma de produção da empresa e nem risco de algum item de estoque faltar na hora da manutenção do equipamento.

É importante fazer um controle rígido do funcionamento dos aparelhos e dos itens que estão armazenados para que não se forme um estoque desproporcional às necessidades de manutenção da empresa ou com itens que não tem aplicação para nenhum setor produtivo.

Afinal, investir em acessórios e peças para deixa-los inutilizados não traz retorno algum. O que vale é cuidar do maquinário para virar a engrenagem e deixá-lo produzir!

Gostou da reflexão? Deixe o seu comentário no artigo e compartilhe conosco as suas ideias sobre o assunto.

Baixe o e-book “Conheça um case de sucesso Italac”

Pin It on Pinterest