Com tantas ferramentas disponíveis para um profissional de qualidade e manutenção, é fácil ficar sobrecarregado e, consequentemente, se concentrar em um agrupamento estreito de ferramentas.

Uma das ferramentas que pode ser muito eficiente na gestão da manutenção preditiva é o Gemba Walk, ou caminhada Gemba. Esse método tem a ver com observação, envolvimento e melhoria contínua.

E para que você entenda bem o que é o Gemba Walk, abaixo explicamos como ele funciona e como poderá ser aplicada no gestão de manutenção da sua empresa. Acompanhe conosco:

O que é Gemba?

O Gemba Walk é o termo usado para descrever a observação pessoal do trabalho onde ele efetivamente acontece. O termo original japonês vem de gembutsu, que significa “coisa real” ou “lugar real”. Esse conceito enfatiza:

  • Observação: observação em pessoa, o princípio central da ferramenta;
  • Local de valor agregado: observando onde o trabalho está sendo feito (ao contrário de discutir um problema de armazém em uma sala de conferência)
  • Trabalho em equipe: interagir com as pessoas e processar soluções em um espírito de grupo;

Em suma, uma organização que abraçou o conceito do Gemba na gestão da manutenção está buscando sempre a melhoria contínua dos seus processos, promover disciplina e padronização, e acredita que os processos em vigor para resolver problemas são mais valiosos do que as próprias soluções.

Como funciona a caminhada Gemba?

A ideia central do Gemba é que os problemas são visíveis, e as melhores soluções de melhoria surgirão no gemba, ou seja, no lugar onde as atividades realmente acontecem. A caminhada de Gemba é uma atividade que leva gestores e supervisores à linha de frente para procurar resíduos e oportunidades de melhorias nos processos.

No gerenciamento de qualidade em uma indústria, o Gemba significa o próprio chão de fabricação e a ideia é que, se ocorrer um problema, os engenheiros devem ir até lá para entender o impacto total do mesmo, coletando dados de todas as fontes. Mas e na manutenção preditiva? Como o Gemba pode ser aplicado?

Como aplicar o Gemba na gestão da manutenção preditiva?

Toda metodologia e ferramenta pode ser aproveitada e adaptada para outras áreas, tirando-se o que elas têm de melhor para aplicar em qualquer processo de gestão. Pode-se questionar que a manutenção não é o “lugar real”, onde as coisas efetivamente acontecem.

Contudo, o Gemba na manutenção preditiva pode começar onde ficam os profissionais dessa área, local que marca o início do clico de atividade de manutenção.

A ideia é que o gestor responsável pela manutenção, engenheiros ligados à área e demais membros da equipe se reúnam diariamente nesse local, ou com intervalos de um dia entre reuniões, para identificar possíveis problemas no processo de manutenção preditiva.

Essa não deve ser uma oportunidade de encontrar falhas nos outros enquanto estão sendo observados. Uma caminhada Gemba precisa ser abordada a partir de um lugar de respeito mútuo e interesse em tornar as coisas mais rápidas, mais seguras, mais fáceis e, simplesmente, melhores.

Uma caminhada Gemba também não é o momento de resolver problemas e fazer mudanças. Este é um tempo de observação e reflexão. Isso não significa que é hora de ignorar as ideias da sua equipe para melhorias ou sufocar o brainstorming, mas sim de estar aberto e observar a “coisa real” — ver o que realmente está acontecendo.

Se surgirem ideias ou queixas, anote-as e certifique-se de que sejam seguidas depois da caminhada e esteja atento para não se concentrar nos detalhes rapidamente sem ver o todo.

O Gemba abraça as habilidades de toda uma organização, convidando e recompensando as contribuições dos funcionários. Isso porque a compreensão, mesmo das menores melhorias, criará maior valor ao longo do tempo para a gestão da manutenção preditiva.

Entre em contato com os especialistas da MMTec e descubra como podemos te auxiliar a aplicar o Gemba na sua gestão e melhorar seus processos de manutenção preditiva!

Pin It on Pinterest